Saltar al contenido

Lubrificantes

Perguntas frequentes

Perguntas frequentes Lubrificantes

Perguntas Frequentes

  • Existem numerosas possibilidades de definir um óleo lubrificante; apesar de ser de forma resumida e de um ponto de vista industrial, podemos dizer que é uma substância que reduz o atrito quando se interpõe entre duas superfícies com movimento relativo. Serve para:

    • Reduzir a fricção entre duas superfícies metálicas.
    • Proteger os órgãos mecânicos do desgaste e da corrosão.
    • Limpar e refrigerar os motores.
    • Vedante entre os segmentos/pistões e as camisas, com o fim de evitar as fugas de gases produzidas na câmara de combustão.
  • Caso seja necessário misturar dois lubrificantes diferentes para completar o nível de óleo, recomenda-se a selecção de um com a mesma qualidade. Deverá logo que possível realizar a mudança completa do lubrificante, assim como do filtro de óleo, para o indicado no manual do veículo.
  • A distinção de óleo de sintético ou mineral relaciona-se com o método de obtenção do componente principal, o óleo base. Quando se obtem via refinação convencional do petróleo estamos na presença de um óleo mineral. No caso de haver processos quimicos e/ou de síntese diferentes da refinação falamos de um óleo sintético.
  • O termo sintético não é indicativo da qualidade do lubrificante. A qualidade é testada em laboratório e ensaios de motor, que o lubrificante deverá superar durante o seu desenvolvimento/funcionamento, e não em função das matérias primas utilizadas no fabrico do lubrificante.
  • A viscosidade do lubrificante utilizado depende de diferentes variáveis. O fabricante do veículo analisa as mesmas e estabelece uma ou várias viscosidades adequadas para os seus modelos. Por isso, o nosso conselho é que a viscosidade do óleo mais adequada é a recomendada pelo fabricante do veículo.
  • Procure o lubrificante adequado ao seu veículo aqui
  • Sim. Pode ser necessário adaptar a viscosidade em função das condições de uso do veículo e das condições climáticas. Consulte o manual do fabricante para saber as diferentes viscosidades a empregar.
  • Não é aconselhável. Em caso de necessidade extrema, como por exemplo reposição do nível do óleo, recomenda-se atestar com um lubrificante do mesmo nível de qualidade.
  • O intervalo entre duas mudanças de lubrificante é determinado pelo fabricante do veículo, em função do nível de qualidade do lubrificante, das características do motor e das condições de uso do veículo. Geralmente está associado a dois parâmetros: a quilometragem ou o tempo de uso, meses ou anos, o que aconteça antes.

    Alguns veículos incorporam sistemas electrónicos para monitorizar o estado do lubrificante e poder informar o condutor sobre o momento da mudança de óleo.

  • Não. Enquanto exerce a sua função, o lubrificante degrada-se e perde eficácia. uma vez ultrapassado o seu tempo de vida útil, as suas qualidades alteram-se e já não garantem a protecção dos elementos do motor. Assim sendo, é necessário mudar regularmente a carga de óleo. Atestos periódicos não garantem a regeneração do lubrificante.

    Aconselha-se a verificar periodicamente o nível, a cada 1000 km, e principalmente antes de realizar um trajecto longo.

  • Não. A limpeza dos órgãos internos do motor é uma das funções do lubrificante. No processo de combustão do motor geram-se fuligem e outras impurezas que o lubrificante deve recolher, Assim a cor negra do lubrificante indica que este está a exercer uma das suas funções correctamente.
  • A Repsol comercializa uma ampla gama de lubrificantes para cobrir todas as necessidades tanto do sector profissional como dos clientes particulares, para o seu automóvel ou motocicleta.

    Pode consultar qual o lubrificante recomendado para o seu veículo no Motor de Pesquisa de lubrificantes. Também pode consultar toda a informação sobre a gama de lubrificantes Repsol.

  • O programa ADOC é um serviço exclusivo para os clientes profissionais que permite, a partir da análise de uma amostra de óleo usado, fornecer um diagnóstico preciso do estado do lubrificante nos seus veículos ou equipamentos.

    Seleccione desta lista a aplicação que mais lhe interessa:

    • ADOC Indústria
    • ADOC Cogeração a Gás
    • ADOC Marinhos
    • ADOC Automoção
  • Sim... Existem lubrificantes "Fuel Economy" que permitem reduzir o consumo de combustível ou seja lubrificante com propriedades de economia de combustível, contribuindo assim para a redução dos consumos.
  • São lubrificantes concebidos especificamente para veículos a diesel que incorporam filtros de partículas como sistema de tratamento de gases de escape, e que devem ter uma composição adequada para os tornar compatíveis com este tipo de dispositivo.
  • É um sistema de tratamento de gases de escape que reduz a emissão de partículas à atmosfera, especialmente a fuligem produzida na combustão de veículos diesel.

    O DPF pode deteriorar-se pelo uso de óleos inadequados. O catálogo da Repsol contém uma ampla variedade de lubrificantes que são compatíveis com este tipo de sistemas cuidando-os e prolongando a sua vida.

  • É a viscosidade do lubrificante. A viscosidade é a propriedade física que que caracteriza a resistência de um fluido ao escoamento, a uma dada temperatura.

    A citada classificação, internacionalmente aceite, contém duas subclassificações, uma que se designa com um "W" e se refere às propriedades do óleo a baixa temperatura, e outra sem "W", que se refere às propriedades a alta temperatura. Assim, os óleos que se designam com um grau numérico seguido da letra W, como SAE 10W ou simplesmente com um número, como SAE 40, designam-se por óleos monograduados, enquanto aqueles que são designados pelos dois tipos de grau como SAE 10W-40 são denominados multigraduados, cujo significado traduz simultaneamente as características de um óleo 10W e 40. Em resumo, os lubrificantes multigraduados têm a capacidade de reunir propriedades viscosimétricas tanto a baixa como a alta temperatura de forma simultânea.

  • Não. A viscosidade não é um indicativo de qualidade nem de idoneidade do óleo. É tão somente uma das propriedades na hora da escolha de um lubrificante, mas o seu nível de qualidade é o que diferencia as prestações de um ou outro. Estes níveis de qualidade costumam estar indicados na etiqueta. A qualidade do lubrificante a empregar num veículo deve ser a recomendada pelo fabricante do mesmo.
  • Em geral, os lubrificantes são válidos simultaneamente tanto para veículos a gasolina como para diesel. O nível de qualidade da maioria dos lubrificantes não distingue entre o tipo de combustível utilizado. Para conhecer o lubrificante apropriado para o seu veículo, consulte o nosso Pesquisador de Lubrificantes.