210 540 000 (custo chamada local)
Contacte-nos
Nós ligamos!
O número de telefone é obrigatório Deve inserir um número de telefone correto
Consinto com o tratamento dos meus dados para ser informado por telefone e/ou e-mail da oferta de serviços Eletricidade e Gás da Repsol de acordo com a Política de Privacidade da Repsol
Para continuar, deve aceitar a política de proteção de dados
o
Contacte-nos
210 540 000 custo chamada local
gás rússia

Impacto do corte de fornecimento do gás russo em Portugal

Com a invasão da Ucrânia pela Rússia, a União Europeia, os Estados Unidos da América e outros países reagiram com uma série de sanções contra o invasor, algumas dessas com impacto direto no fornecimento de energia. A estratégia é mais abrangente e tem como objetivo tornar o bloco europeu independente da Rússia em termos de energia, petróleo e gás natural.

As dependências de energia russa não são simétricas nos países europeus. No caso de Portugal, de facto, a Rússia chegou a ser o principal abastecedor de petróleo, entre 2017 e 2018. Desde 2020, tem vindo a desparecer da lista e, hoje em dia, segundo dados da Direção Geral de Energia e Geologia (DGEG), esse lugar é ocupado pelo Brasil e pela Nigéria.

Não obstante, nem todos os países tinham esta pouca exposição à energia russa, muitas das economias europeias estavam fortemente dependentes da Rússia em termos energéticos, como é o caso da Alemanha. Por isso, e para fazer face ao inverno, os vários países europeus tomaram medidas de poupança de energia, que vão desde a retoma das centrais a carvão – em substituição do gás natural – à iluminação pública.

Medidas tomadas pelo Governo português

Em 2021, o gás natural representou 24% do consumo de energia primária no nosso país, desses 24%, 53% destinou-se à indústria, 36% à produção de eletricidade e 11% para os restantes setores, como o doméstico. Por conseguinte, esta energia tem uma grande importância na cadeia de valor do país.

O Governo português, em sintonia com os demais países europeus, tomou uma série de medidas para diminuir o consumo de energia. o Plano de Poupança de Energia 2022-2023 contém medidas nas áreas da energia, eficiência hídrica e mobilidade. Estas medidas abrangem não apenas o setor público – a administração central e local -, mas também o setor privado (indústria, comércio, serviços e residencial). Contém medidas recomendas e obrigatórias, sendo o setor público mais abrangido por estas últimas, e, em função das medidas, o prazo de implementação varia entre 3 e 12 meses.

Medidas no setor público (administração pública central e local)

Na área da energia

  • Reduzir o consumo de energia relacionado com iluminação interior e exterior.
  • Reduzir o consumo energético na climatização de espaços.
  • Promover, na medida do possível, práticas de gestão dos recursos humanos que permitam a redução dos consumos energéticos (por exemplo, avaliando as poupanças energéticas do recurso ao teletrabalho).
  • Capacitar os técnicos da administração pública para a implementação, dinamização e monitorização de medidas para a eficiência de recursos.
  • Promoção local de eletricidade a partir de fontes de energia renovável.

Na área da eficiência hídrica

  • Aumentar a eficiência hídrica.
  • Reduzir o desperdício de água na rega de espaços exteriores.

Medidas no setor privado

Na área da energia

  • Reduzir o consumo de energia relacionado com iluminação interior e exterior.
  • Reduzir o consumo energético na iluminação interior e exterior de centros comerciais.
  • Reduzir o consumo energético na climatização de espaços.
  • Reduzir o consumo energético na climatização de centros comerciais.
  • Reduzir o consumo energético na produção de calor e frio (que não a climatização).
  • Reduzir o consumo energético em piscinas e complexos desportivos.
  • Promover, na medida do possível, práticas de gestão dos recursos humanos que permitam a redução dos consumos energéticos (por exemplo, avaliando as poupanças energéticas do recurso ao teletrabalho).
  • Produção local de eletricidade a partir de fontes de energia renovável.
  • Formar e/ou capacitar para potenciar a eficiência energética.

Na área da eficiência hídrica

  • Aumentar a eficiência hídrica.
  • Aumentar a eficiência hídrica em processos industriais.
  • Reduzir o desperdício de água na rega de espaços exteriores.
  • Formar e/ou capacitar para potenciar a eficiência hídrica.

Quanto é que Portugal irá poupar com estas medidas?

O objetivo solidário voluntário passa pela redução de 15% de energia entre 1 de agosto de 2022 e 31 de março de 2023. Ou seja, para conseguir este desígnio, o consumo de gás natural não poderá ser superior a 3.386 milhões de metros cúbicos (mcm), durante este período, o que se traduz numa redução de 598 mcm face aos últimos 5 anos.

Quais as melhores tarifas para poupar energia?

A Repsol não comercializa nenhum plano com gás natural apenas, no entanto, na contratação do Plano Viva, eletricidade 100% renovável e gás natural, terá a previsibilidade de pagar o mesmo pelo kWh durante 12 meses, mesmo que os preços da energia nos mercados grossitas subam.

Para além disso, e como não é apenas os preços do gás natural e da eletricidade que têm subido nos últimos tempos, na contratação deste Plano Viva poderá usufruir de descontos em outras energias, como os combustíveis e o gás embalado.