Saltar al contenido

Indústria

Processo cerâmico

Processo cerâmico

A eficiência do processo cerâmico

A energia que produzimos na Repsol é necessária nas fases de atomização, secagem e cozedura da matéria.

Em que consiste?

Através do processo cerâmico, consistente com a transformação de matérias-primas em elementos rígidos, são fabricados desde produtos de baixo valor unitário até produtos de preço mais elevado, como azulejos, tijolos, ladrilhos ou, por outro lado, peças de arte e porcelanas, entre outros.

Neste sentido, para executar o seu fabrico é necessário usar a energia que produzimos na Repsol, nas 3 etapas do processo cerâmico: atomização, cozedura e secagem da matéria.

A atomização

A atomização é o processo através do qual se elimina entre 20-25% a 50% da água que está presente no produto obtido na fase anterior à moagem por via húmida (barbotina). A eliminação ocorre através da exposição da barbotina, dividida em pequenas partículas, a uma corrente de ar quente através de bombeamento e pulverização por alta pressão ou por projeção sobre um disco a grande velocidade.

Por norma, essa corrente de ar é gerada através de queimadores com passagem de ar, baterias de vapor ou troca direta em geradores de ar quente.

Assim, os queimadores de gás oferecem uma série de vantagens que não se obtêm com o gasóleo, uma vez que este último contamina mais facilmente as peças. Além disso, os fornos a gasóleo precisam de mais manutenção, têm maior consumo e não apresentam a homogeneidade na secagem, necessária a certos produtos, como os que se destinam à decoração.

A cozedura

O processo de cozedura é o que necessita de mais energia, cerca de 70% do total, uma vez que as peças podem atingir os 1400º C. Neste caso, o uso de Gás da Repsol é muito vantajoso porque a eficácia do forno contínuo, que garante um funcionamento ininterrupto, será determinante para a qualidade das peças, ou seja, caso ocorra alguma variação brusca de temperatura ou se apague o sistema terá uma influência negativa no resultado final. 

Nos fornos do tipo descontínuo o calor aplica-se assim que a peça está no seu interior e, de acordo com os graus, obtêm-se diferentes produtos cerâmicos: barro cozido (900ºC - 1000ºC), grés (1000ºC - 1300ºC), vidro (1200ºC - 1300ºC) ou porcelana (1250ºC - 1450º). 

O tipo de atmosfera dependerá do objetivo da cozedura. Se for para eliminar a matéria orgânica é feita em atmosfera oxidante, com excesso de ar, se for para esmalte ou decoração é em atmosfera, com falta de ar.

A secagem

A secagem consiste em eliminar a maior quantidade de água possível. Isto é feito através de fornecimento de calor, seja por secagem por ar quente, entre 50ºC e 80ºC, ou secagem por infravermelhos.

  • O Gás da Repsol para o setor industrial

    Encontre o aliado perfeito para o seu negócio. Informe-se sobre as soluções que oferecemos para que possa ter nas suas instalações um sistema eficiente que satisfaça as suas necessidades.

Contacte-nos

Se é cliente do Gás Repsol, registe-se na nossa Área de Clientes e usufrua das suas vantagens. 

Tel : 800 200 270 - chamada sem custo

Estações de serviço

A Repsol tem à sua disposição mais de 370 estações de serviço. Há, certamente, uma estação Repsol perto de si.